EXTINÇÃO III

 
Foto 1:

Os hipopótamos comuns (Hippopotamus amphibius) foram incluídos na lista da União da Conservação Mundial pel primeira vez.
A situação instável na República Democrática do Congo levou à caça indiscriminada e 95% dos animais desapareceram no país.
Foto: Jean-Christophe Vie
 
 
Foto 2:

A caça também é responsável pelo declínio na população da gazela dama (Gazella dama), originária do deserto do Saara e da região de savanas do Sahel, no sul do Sudão.
Grupos que vêem a caça como esporte no Golfo são responsáveis pelo desaparecimento de 80% das gazelas nos últimos 10 anos. A gazela dama está listada como criticamente ameaçada.
Foto: Dave Mallon
 
 
Foto 3:

O urso polar (Ursus maritimus) tem como maior ameaça a redução do seu habitat natural: o mar de gelo do Ártico, que está derretendo por causa do efeito estufa.
O encolhimento de seu habitat reduz a capacidade dos ursos de achar comida e de criar filhotes em buracos na neve.
Foto: Robert e Carolyn Buchanan
 
 
Foto 4:

O maçarico de bico direito (Limosa limosa) imigra da Europa para a Austrália todos os anos e costumava ser comum na Grã-Bretanha.
A população está diminuindo porque há menos lugares para fazer ninhos na Europa, graças à drenagem de regiões alagadas e da agricultura extensiva moderna.
O número de maçaricos caiu 30% nos últimos 15 years.
foto: MD England/BirdLife International
 
 
Foto 5:

Um em cada três anfíbios está na lista de animais que correm o risco de extinção.
Entre os sapos, salamandras e outros bichos, está o sapo parteiro de Maiorca (Alytes muletensis) encontrado apenas no norte da ilha espanhola.
Os machos da espécie podem transportar ovos fertilizados nas costas. Sua população aumentou depois de um programa de conservação.
Imagem: Durrell Wildlife
 
 
Foto 6:
A lista deste ano inclui uma análise regional de muitos animais marinhos.
Cerca de 20% das espécies conhecidas de tubarões e arraias, incluindo a arraia jamanta (Manta birostris), estão na lista dos animais ameaçados.
Foto: Tim Clarke
 
 
Foto 7:

A região do mediterrâneo é uma das mais preocupantes, com mais da metade dos peixes de água doce correndo o risco de extinção.
Urbanização, turismo em massa e agricultura intensiva estão criando problemas também para as plantas.
Esta flor (Scilla morrisii) é uma das 600 que sobrevivem, mas estão em risco.
Foto: CS Christodoulou
 
 
Foto 8:
A águia de rabo branco (Haliaeetus albicilla) dobrou em números na década de 90, como resultado da legislação criada na Europa para impedir a caça e preservar seu habitat.
Na lista deste ano, a espécie passou para a lista de Menos Preocupação.
Foto: Chris Gomersall/RSPB
 
 
Foto 9:
Ativistas esperam que os urubus do sul da Ásia possam transformar-se em uma nova história de sucesso.
Há 20 anos, o urubu de cabeça branca (Gyps bengalensis) era encontrado em grandes revoadas na Índia. Envenenados acidentalmente por uma droga veterinária, os números caíram em 90%.
A poribição do uso da droga pode recuperar a população.
Foto: RSPB
Anúncios
Esse post foi publicado em Denúncia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s