BIOCOMBUSTÍVEL X FOME MUNDIAL III

 
"Os biocombustíveis são apenas parte do problema"
 
Más safras também encarecem alimentos.
 
Biocombustíveis não são os únicos responsáveis pelo aumento do preço de alimentos básicos.
Para Simone Pott, porta-voz da ONG Ação Agrária Alemã, uma solução para a crise é o incentivo à agricultura nos países pobres.
 
Questão: As Nações Unidas solicitaram há algumas semanas a ajuda da comunidade internacional para seu programa mundial de alimentos. Agora são o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional que conclamam a enfrentar com determinação a crise alimentar. Como você vê a atual situação?

Simone Pott: A situação é dramática. Os principais atingidos pelo aumento de preços são os mais pobres entre os pobres. As pessoas que de qualquer modo já dispõem de muito pouco dinheiro e de muito pouco para comer são as que têm de pagar a conta da alta dos gêneros alimentícios básicos.

Questão: Que conseqüências podem-se esperar se não houver reações políticas imediatas?

Simone Pott: Muitos governos nos países em desenvolvimento estão sob pressão. Cada vez mais pessoas irão às ruas para chamar a atenção para seus problemas. Somando-se a isso catástrofes climáticas, como inundações ou secas, o problema da fome no mundo vai se agravar e voltaremos a ter novamente em grande escala mortos por desnutrição.

Questão: Há quanto tempo você acompanha este problema?

Simone Pott: Soa um pouco absurdo, mas estamos advertindo para esta situação há vários anos. Apelamos já há cerca de dez anos para que seja canalizado mais dinheiro para as áreas rurais e que a agricultura destes países receba apoio ativo e incentivo financeiro.

 

Colheita de soja na Argentina

Questão: Os biocombustíveis tornaram-se alvo de críticas. Eles são realmente o problema?

Simone Pott: Os biocombustíveis são apenas uma parte do problema. Há três razões para a atual crise de produtos alimentícios, e uma delas são realmente os biocombustíveis. O que também influiu foi a melhora das condições de vida nos países emergentes. Na China e na Índia há cada vez mais pessoas com dinheiro suficiente para comer carne, e para a produção da carne são necessárias quantidades cada vez maiores de cereais.

Para a produção de um quilo de carne de porco, por exemplo, são necessários três quilos de cereais e, para um quilo de carne bovina, são sete quilos de cereais. E a terceira razão reside no aumento do preço do petróleo, o que encarece o transporte, as máquinas, os fertilizantes… Tudo o que tem a ver com agricultura ficou mais caro.

Questão: Então os biocombustíveis tornaram-se bode expiatório?

Simone Pott: Talvez não bode expiatório, mas é correto chamar a atenção que, se o Primeiro Mundo quer melhorar seu balanço ecológico, isso não pode implicar que o Terceiro Mundo passe fome. As conseqüências teriam de ter sido levadas em conta antes e talvez teria que se ter repensado a cota de bioetanol no combustível.

Questão: Há vários anos, críticos advertem para uma eventual concorrência entre a produção de alimentos e biocombustíveis. Por que isto não foi levado em consideração por ecologistas e políticos?

Simone Pott: Creio que a dimensão da crise os surpreendeu. Não podemos esquecer que o aumento dos preços dos combustíveis durante muitos anos não foi previsível. Além disso, durante anos, ignorou-se que as condições de vida nos países emergentes estavam melhorando.

Questão: A União Européia deve então desistir de seus planos em relação aos biocombustíveis?

Simone Pott: É preciso considerar que efeitos isto terá, e talvez seja necessário mudar a porcentagem de bioetanol no combustível. O que não pode ser é que o meio ambiente no Hemisfério Norte seja protegido à custa do Terceiro Mundo.

Questão: Qual o papel das mudanças climáticas?

Simone Pott: As conseqüências das mudanças climáticas são sentidas em muitos países em desenvolvimento, sejam longos períodos de seca ou inundações incomuns vários anos seguidos. Isto faz com que sejam produzidos menos alimentos.

Questão: Também se aponta a especulação nos mercados agrícolas como causadora da crise. Ao que se deve esta especulação?

Simone Pott: No mercado mundial, os cereais não são mais do que uma mercadoria como qualquer outra. Os negócios são feitos com a cotação de ações, e quando os preços sobem, como é o caso, os produtos agrícolas viram modo de ganhar dinheiro.

Questão: Isso acontece também com os biocombustíveis?

Simone Pott: Naturalmente. Se a classe política emite sinais de que vai aumentar a demanda de biocombustíveis, os negócios com produtos agrícolas tornam-se atraentes.

Questão: O Banco Mundial pede à comunidade internacional que contribua com 316 milhões de euros para combater a crise. Doações resolverão o problema?

Simone Pott: As doações ajudam numa situação de emergência em curto prazo. Em longo prazo, no entanto, é preciso canalizar meios para incentivar a agricultura nas zonas rurais.

Seca danificou colheita na China

Anúncios
Esse post foi publicado em Aprendendo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s