DESMATAMENTO FINANCIADO

Banco Mundial pode estar ajudando a desmatar Amazônia, diz ONG
 
 
Um relatório divulgado pela ONG Amigos da Terra – Amazônia Brasileira diz que o Banco Mundial (Bird) pode estar colaborando com o desmatamento da Amazônia ao financiar projetos de pecuária na região sem analisar com cuidado os efeitos que eles podem ter. “Organizações como o IFC (International Financial Corporation, ou Corporação Financeira Internacional) do Banco Mundial promovem a expansão do abate em áreas vulneráveis da Amazônia, sem sequer estudar os impactos na maioria das regiões afetadas”, diz o relatório, intitulado O Reino do Gado – Uma Nova na Pecuarização da Amazônia Brasileira. O documento, divulgado no domingo, traça um perfil da pecuária na região da chamada Amazônia legal (área que engloba nove estados brasileiros que abrigam a Bacia amazônica e que possuem em seu território trechos da Floresta Amazônica) e, além de criticar o Banco Mundial, critica o governo por não adotar medidas que impeçam o avanço da pecuária na Amazônia, que “representa uma das principais forças motrizes do desmatamento e das queimadas na região”.  “A pecuarização da Amazônia se intensificou de maneira sem precedentes nos últimos cinco anos e o fenômeno requer uma atenção nova e especial, em qualidade e em quantidade, por parte das autoridades governamentais, da cadeia comercial de instituições financeiras, cientistas e organizações da sociedade civil.”

“Expansão da fronteira”

Segundo o relatório, em 2007, pela primeira vez, “a Amazônia Legal passou da marca histórica de 10 milhões de abates bovinos, com um aumento de 46% em relação a 2004.” O avanço ajudou a consolidar o Brasil como o maior exportador e o segundo maior produtor mundial de carne bovina.  A Amazônia é a região do país que concentrou o crescimento da pecuária nos últimos anos. O documento indica que, entre dezembro de 2003 e dezembro de 2006, 96% do aumento registrado no rebanho brasileiro foi em gado da Amazônia. Mas o crescimento aparentemente não ocorreu simultaneamente à adoção de medidas que poderiam amenizar o impacto da atividade econômica sobre a mata, segundo a Amigos da Terra. “Falta de investimento na recuperação de pastagens degradadas e falta de foco na pequena produção impedem que práticas de sustentabilidade saiam do papel”, diz o documento. Nas suas conclusões, o relatório sugere a adoção de diversas medidas, como “a proibição de novos assentamentos rurais ou de regularização fundiária de ocupações recentes”, ou o “zoneamento agro-ambiental ou ecológico-econômico”. “Até o momento, no entanto, estes mecanismos não têm sido objeto de implementação.”

O relatório também diz que um programa de aproveitamento de áreas alteradas, que consta de um plano do governo para combater e prevenir o desmatamento, não saiu do papel. “Dessa forma”, diz o relatório, “a realidade tende a reproduzir o modelo da expansão da fronteira”. A BBC Brasil entrou em contato com o Banco Mundial em Washington e com o Ministério do Meio Ambiente pedindo um comentário sobre o relatório da ONG, mas, até o fechamento deste texto, não obteve resposta.

Anúncios
Esse post foi publicado em Denúncia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s