MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O que são:

A temperatura média da Terra gira em torno de 15º C. Isso ocorre porque existem naturalmente gases, como o dióxido de carbono, o metano e o vapor d’água em nossa atmosfera que formam uma camada que aprisiona parte do calor do Sol. Se não fossem esses gases, a Terra seria um ambiente gelado, com temperatura média de -17º C. Esse fenômeno é chamado de efeito estufa. Não fosse por ele, a vida na Terra não teria tamanha diversidade.

Só que desde a revolução industrial, começamos a usar intensivamente o carbono estocado durante milhões de anos em forma de carvão mineral, petróleo e gás natural, para gerar energia, para as indústrias e para os veículos. As florestas, grandes depósitos de carbono, começaram a ser destruídas e queimadas cada vez mais rápido. Com isso, imensas quantidades de dióxido de carbono, metano e outros gases começaram a ser despejadas na atmosfera, tornando a camada que retém o calor mais espessa. Isso intensifica o efeito estufa. E nosso planeta, agora, já mostra sinais de febre. Por isso, o aquecimento do planeta é o maior desafio ambiental do século 21.Somente no último século, a temperatura da Terra aumentou em 0,7º C. Parece pouco, mas esse aquecimento já está alterando o clima em todo o planeta. As grandes massas de gelo começam a derreter, aumentando o nível médio do mar, ameaçando as ilhas oceânicas e as zonas costeiras. Furacões, tufões e ciclones ficam mais intensos e destrutivos. Temperaturas mínimas ficam mais altas, enxurradas e secas mais fortes e regiões com escassez de água, como o semi-árido, viram desertos. A vida na Terra fica ameaçada.

Quando o aquecimento global foi detectado, alguns cientistas ainda acreditavam que o fenômeno poderia ser causado por eventos naturais, como a erupção de vulcões, aumento ou diminuição da atividade solar e movimento dos continentes. Porém, com o avanço da ciência, ficou provado que as atividades humanas são as principais responsáveis pelas mudanças climáticas que já vêm deixando vítimas por todo o planeta. Hoje não resta dúvida. O homem é o principal responsável por este problema. E é ele que precisa encontrar soluções urgentes para evitar grandes catástrofes.

Impactos: Nos últimos cem anos, a Terra ficou 0,7º C mais quente. Parece pouco, mas esse aquecimento já está alterando o clima em todo o planeta, causando derretimento de geleiras, elevação do nível do mar, furacões mais intensos, enchentes e secas cada vez mais fortes. Caso medidas drásticas não sejam tomadas para controlar o aquecimento global, o planeta enfrentará tempos muito difíceis. A temperatura irá aumentar mais que 2º C acima dos níveis pré-industriais, com riscos de extinção em massa, colapso dos ecossistemas, falta de alimentos, escassez de água e grandes prejuízos econômicos.

Soluções: O furacão Catarina, que atingiu o litoral gaúcho e catarinense em 2004, e a seca na Amazônia, que surpreendeu o mundo em 2005, já mostraram que o Brasil é muito vulnerável e ainda não está preparado para enfrentar o aquecimento global. A principal medida é estancar a destruição da Amazônia. Os desmatamentos e as queimadas fazem do País o quarto emissor de gases do efeito estufa do planeta.

As grandes hidrelétricas, que inundam imensas áreas de florestas, emitem grandes quantidades de metano para a atmosfera e expulsam comunidades inteiras de suas áreas tradicionais. As usinas a carvão mineral causam grande impacto ecológico e são grande fonte de gás carbônico. A energia nuclear também deve ser banida, pois ela é suja, cara, perigosa e ultrapassada. Estas não são soluções para o Brasil.  eficiência energética é uma das formas mais limpas, baratas e rápidas de diminuir as emissões de gases de efeito estufa. Investindo em eficiência energética, o Brasil poderá economizar 25% da energia que consome. O Brasil já tem 45% da sua matriz energética baseada em fontes renováveis, mas tem um imenso potencial eólico e solar que precisa ser explorado. Pequenas centrais hidrelétricas sem barragem e o biogás gerado nos aterros sanitários e nas estações de tratamento de esgotos são também alternativas importantes para a geração de energia no País.

Nas grandes cidades brasileiras, a queima de combustíveis fósseis provoca sérios danos à saúde e contribui para o aquecimento global. Combustíveis de transição, como o álcool e o biodiesel, devem ser amplamente utilizados por veículos particulares e coletivos. Nas metrópoles deve haver prioridade para o transporte coletivo de qualidade, com investimentos em sistemas mais eficientes e baratos. Os bondes elétricos e os trens metropolitanos são uma alternativa crucial. Ciclovias seguras devem ser implantadas e a malha ferroviária revitalizada e ampliada.

Práticas agrícolas sustentáveis precisam ser disseminadas entre os agricultores que já estão sofrendo as anomalias climáticas, principalmente na região Sul. Novos estudos precisam ser feitos para possíveis adaptações ao zoneamento agrícola e redução de riscos no campo. A expansão da agricultura deve ocorrer através da recuperação de áreas já desmatadas e não sobre nossos biomas tão ameaçados.

Uma Política Nacional de Mudanças Climáticas é urgente para integrar ações isoladas que hoje são implementadas por instituições de pesquisa, universidades e pela sociedade civil. Estudos devem ser feitos sobre as conseqüências do aquecimento global no País. O assunto não pode virar prioridade apenas durante os desastres. É preciso que o governo federal coordene a elaboração de um Mapa de Vulnerabilidade e Riscos às Mudanças Climáticas, além de um Plano Nacional de Adaptação para reduzir as vulnerabilidades e um Plano Nacional de Mitigação para combater as causas do aquecimento global.

No semi-árido, as ações do Plano Nacional de Combate à Desertificação devem ser implementadas e integradas a uma Política Nacional de Mudanças Climáticas. A recuperação de áreas degradadas, de matas ciliares, a implementação de barragens subterrâneas e expansão do número de cisternas é fundamental para a população da região.
Os sistemas públicos de saúde precisam considerar a tendência de aumento de doenças infecciosas, assim como a redistribuição geográfica de doenças como a malária e a dengue. Estiagens prolongadas causarão também problemas de nutrição e até de más condições de higiene devido à falta de água, tanto no campo, como nas cidades.
O governo brasileiro precisa ainda lutar nos fóruns internacionais para fortalecer o regime global sobre mudanças climáticas, o Protocolo de Kyoto, para garantir que o aumento médio da temperatura permaneça o máximo possível abaixo de 2º C, o que poderá ser obtido se as concentrações de gás carbônico não ultrapassarem os 400 ppm (partes por milhão). Para que isso ocorra, os países industrializados terão que reduzir os seus níveis de emissões em curto prazo. E os países em desenvolvimento não devem reproduzir o modelo de crescimento dos países desenvolvidos, baseado em utilização intensiva de combustíveis fósseis. Suas necessidades de desenvolvimento devem ser atendidas utilizando energias renováveis modernas. O Brasil pode e deve dar exemplo ao mundo no setor energético.

Protocolo de Kyoto: A preocupação com o aquecimento global levou à criação, em 1988, do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), com os principais cientistas do clima e representantes de governos de todo o mundo. Em 1992, a ONU aprovou no Rio de Janeiro a Convenção sobre Mudanças Climáticas, que levou ao Protocolo de Kyoto, o mais ambicioso tratado ambiental. A primeira meta do Protocolo (2008-2012) é uma redução média de 5,2% em relação às emissões de gases de efeito estufa em 1990, para países desenvolvidos. Mas isso é pouco. Cientistas consideram que a redução tem que ser de 50% das emissões globais até 2050, para que o aumento de temperatura da Terra não ultrapasse o limite de 2º C, considerado o ponto de colapso do clima.

O que não é solução: Ao contrário do que defende equivocadamente a indústria nuclear, a energia nuclear não é solução para barrar as mudanças climáticas. Em algumas décadas, essa energia  não apresentará vantagem em relação a, por exemplo, usinas movidas a gás natural. Além do altíssimo custo de construção e operação de uma usina atômica, o lixo radioativo não possui solução e permanece uma ameaça por milhares de anos. Qualquer projeto de construção de nova usina atômica, como o de Angra 3, deve ser definitivamente descartado. E todas as usinas em operação devem parar suas atividades, pondo fim à ameaça nuclear.

A geração de energia de grandes usinas hidrelétricas, que já foi considerada energia limpa, também não deve ser a alternativa para ampliar a nossa matriz energética. As grandes barragens geram graves problemas socioambientais, além de emitirem grandes quantidades de metano. Projetos como as usinas de Belo Monte e Altamira, no rio Xingu, e de Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira, expulsam populações tradicionais e devem ser interrompidos e engavetados.

A geração de energia a carvão mineral tem altíssimos custos socioambientais e de saúde pública. Em uma das áreas com as maiores jazidas de carvão mineral do Brasil, na região de Criciúma (SC), a paisagem já foi irremediavelmente alterada pela mineração e deposição de resíduos do carvão. Algumas áreas estão hoje entre as mais poluídas de todo o Brasil. Além disso, as emissões de gases de efeito estufa das usinas termelétricas a carvão desestabilizam o clima do planeta.

Impedir a destruição de nossas florestas é a principal contribuição do Brasil para reduzir o aquecimento global. E a eficiência energética deve ser prioridade.

O QUE NÓS PODEMOS FAZER: Economize energia. Troque lâmpadas incandescentes por fluorescentes, apague luzes desnecessárias, desligue aparelhos domésticos quando não estiverem em uso e compre eletrodomésticos classificados como nível A em eficiência energética.

Deixe o carro na garagem e utilize o transporte coletivo e a bicicleta, quando possível. Dê preferência a combustíveis como o álcool e o biodiesel. Faça revisões periódicas no seu veículo para reduzir as emissões de poluentes.

Evite o desperdício de água. Feche sempre a torneira quando não estiver em uso. Em áreas sujeitas a secas prolongadas, armazene água.

Informe-se sobre as habitações ambientalmente corretas, que aproveitam a água da chuva, usam energia do sol para iluminação e aquecimento, e têm climatização natural.

Ajude a recuperar o verde de sua cidade. Plante árvores no seu quintal, na sua propriedade rural e até mesmo em áreas públicas.

Apóie e participe de ações contra a destruição de nossas florestas.

Exija da sua prefeitura sistemas eficientes de drenagem urbana, coleta e tratamento de esgotos.

Informe-se e procure entender as causas das mudanças climáticas e suas conseqüências.

Divulgue na sua comunidade estas informações e cobre dos governantes medidas para combater o problema e seus impactos.

Pressione empresas e governos a substituírem as energias sujas, perigosas e ultrapassadas (combustíveis fósseis, nuclear, grandes hidrelétricas) pelas energias positivas (solar, eólica, pequenas hidrelétricas).

Filme documentário (link)

Fonte: Site Greenpeace

Anúncios
Esse post foi publicado em Clima & Poluição. Bookmark o link permanente.

9 respostas para MUDANÇAS CLIMÁTICAS

  1. JUDDY disse:

    ola amigo..gostei..do teu blog assim como..a maneira bonita.de ajudares este planeta..fica bem..um beijo..
                    ..@ndorynh@..

  2. __мαяgαяι∂α__ disse:

    gostei! utilizar uma pequena "arma" que temos em mão para passar a mensagem..parabéns
     
     
    beijos doces no coração

  3. Marilia disse:

    Admiro pessoas como vc… Não vivemos só de poesia, não é? Mas me coloco a sua disposição para qualquer coisa, divulgar… é só me dizer como!!!!
    Adorei estar aqui e ao mesmo tempo triste porque relebrei dos fatos…da realidade!!!
    Beijos e Sucesso!!!!
     
     

  4. Ninha disse:

    Muito boa  esta matéria sobre aquecimento global. Tenho me preocupado muito em economizar energia e água. Acho q é essencial q tenhamos consciência do qto. é importante economizar estas fontes. Aproveito para agradecer por suas palavras. Muito sábias. Jah adicionei seu blog a minha lista de favoritos. Um abraço, Ninha.

  5. Sónia disse:

    ola
    gostei da visitinha
    e vim retribuir
    desejo de uma maravilhosa semana

  6. Cicero disse:

    brigado pela visita! Mas,
    a estrada é longa; Não desista de chegar… Existe o cansaço; É preciso caminhar… Existe a derrota; Você nasceu para ganhar… Existe o amor; É fundamental amar.
    Uma boa noite..

  7. Mara disse:

    obrigado pela visita ao meu spaço
    desejo a voce continuaçao de uma semana feliz
    beijokas mara

  8. Hidra disse:

    Boa noite,
     
    Obrigada pelo carinho.Desejo que tenha uma linda noite.
    Desejo que você seja útil, mas não insubstituível. E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé. Desejo, ainda, que você seja tolerante, não com os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com os que erram muito e irremediavelmente, e que fazendo bom uso dessa tolerância, você sirva de exemplo aos outros.  
    <><><><> Com carinho da amiga Hidra <><><><>
     

  9. Lu... disse:

    É espantoso o que ocorre com nosso Planeta Terra, em decorrência da omissão do ser humano, em não cuidar com o devido carinho e responsabilidade das nossas águas, nossas matas, animais, tudo de belo e necessário que nos rodeia!! Mas felizmente, existem os trabalhadores anônimos, que amam a natureza e lutam para preservar os Bens da Terra, assim como vc, que utiliza esse Spaces para semear sementinhas de conscientização, parabéns !!! Posso divulgar seu Spaces no meu Blog?Muita Luz e Paz em seu viver!!! Bjos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s